Conecte-se Conosco

Estadual

Novas tecnologias e intercâmbios: inglês alcança milhares de alunos na rede pública de ensino

Roy Junior

Publicado

em

Publicidade

O que já era bom está ficando cada vez melhor. Ter o melhor cenário no Brasil para o ensino da língua inglesa aos jovens da rede pública não acomodou a Secretaria da Educação do Paraná, que seguiu investindo e introduzindo novas ferramentas, recursos e experiências para melhorar o processo de ensino-aprendizagem da língua estrangeira, englobando professores e estudantes de toda a rede estadual de ensino. O investimento e a evolução introduzidas pelo Governo do Estado fazem do ensino do inglês nas escolas estaduais personagem da série Paraná, o Brasil que dá certo.
Já no fim de 2019, o Paraná foi destaque em um estudo feito pelo British Council, organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades educacionais. Intitulada “Políticas Públicas para o Ensino do Inglês – Um panorama das experiências na rede pública brasileira”, a pesquisa foi organizada em cinco dimensões: currículo; perfil docente e regime de trabalho; formação de professores; parcerias e programas de apoio para o ensino de inglês e avaliação e monitoramento.

A análise de sete indicadores dentro dessas áreas indicou que a rede paranaense tinha o melhor nível de estruturação e de consolidação das políticas públicas voltadas para o ensino do inglês entre todos os estados brasileiros, com 19 dos 21 pontos possíveis. Ao lado de Sergipe, o Paraná foi apontado como o estado com a maior proporção de docentes com nível superior (98,7%) e também um dos dois com mais de 70% do quadro de docentes habilitados em língua inglesa ou língua estrangeira moderna.
De lá para cá, muita coisa aconteceu, inclusive o fechamento das escolas por um ano e meio por causa da pandemia, mas o planejamento pedagógico não parou e assim que a situação epidemiológica normalizou, várias iniciativas foram colocadas em prática, como novos materiais didáticos, testes de proficiência e uma plataforma de apoio ao ensino.

INGLÊS PARANÁ – A plataforma Inglês Paraná, lançada em setembro de 2021, por exemplo, oferece um curso on-line completo de língua inglesa, com 16 níveis, seguindo o Quadro Comum Europeu de Referências para Línguas (CEFR), contemplando habilidades da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) e objetivos de aprendizagem previstos para cada etapa do currículo.
A plataforma é autoinstrutiva, ou seja, o estudante pode, quando quiser, acessar o conteúdo e realizar as atividades; pode ser acessada nos modos on-line e off-line, além de contemplar todos os níveis de proficiência – desde o básico até o avançado – em escrita, leitura, produção e compreensão oral.

Cada atividade na plataforma equivale a cerca de 20 exercícios (de vocabulário, gramática, conversação e expressões). Ao todo, ao longo do ano passado, mais de 850 mil estudantes acessaram a plataforma e passaram 6,7 milhões de horas estudando nela – 21,5 mil deles conseguiram avançar um nível na escala CEFR (três na plataforma) e 1.648 “zeraram” a plataforma, ou seja, concluíram o 16º nível e alcançaram o nível C2 do CEFR, qualificação mais avançada que comprova comunicação no mais alto nível de domínio do idioma.
“A Secretaria de Educação tem desenvolvido ações efetivas voltadas para o ensino da língua inglesa na rede estadual do Paraná. Tivemos o início do Inglês Paraná, com a contratação de uma plataforma de ensino adaptativo para o apoio ao professor e ao estudante em sala de aula, e já em 2022 tivemos números expressivos e resultados significativos, que mostram o avanço do domínio dos nossos estudantes da rede estadual, com mais de 15 milhões de atividades realizadas”, explica o diretor de Educação da Seed, Anderfabio Oliveira dos Santos.

Professora de inglês há mais de 10 anos na rede, Susane Soares diz que as aulas mudaram e sentiu avanços. “Tudo começou com a pandemia. Eu já estava mudando meu estilo de dar aula, adaptando coisas novas para os alunos e de repente ficou tudo remoto, on-line. Nesse meio tempo eu estava de licença-maternidade e não peguei o início da plataforma, mas quando voltei a primeira coisa que me falaram foi: Susane, você vai para a sala de aula e tem uma plataforma. O primeiro ano foi de adaptação e esse ano está maravilhoso, porque a aula que eu dou em sala bate com a aula da plataforma, seja no laboratório de informática ou em casa”, explica a docente do Colégio Estadual Professor Narciso Mendes, no Xaxim, em Curitiba.

A maioria de seus alunos, nascidos já em meio a dispositivos eletrônicos, gosta das aulas na plataforma, além das tradicionais aulas em sala. “Acho a ferramenta muito boa pela facilidade para fazer as lições. É fácil de logar e acessível. Gosto de escutar como se pronunciam as palavras, porque tem palavras que eu sei, mas ainda não sei falar direito”, conta João Guilherme Almeida Wernek, do 7° ano.
Seu colega de sala, Gabriel Freire Feitosa de Souza, que também entrou na rede já com a plataforma rodando, é outro que aprova a ferramenta. “É uma ótima ideia porque ajuda muito no aprendizado. Além das aulas no quadro, ainda tem essa parte da internet. A tecnologia ajuda bem mais e o aprendizado fica mais fácil. Eu gosto mais da prática de gramática, porque a dificuldade vai aumentando em cada nível e cada um tem uma característica diferente”, diz.

Ele pratica a língua em casa com os familiares. “Eu sou o mais novo e todos estão um nível acima do meu. Isso vai ajudar bastante, porque ser fluente em inglês ajuda muito no currículo”, completa.
Para este ano, o Inglês Paraná tem o reconhecimento de voz mais preciso e fez atualizações de layout, mantendo os recursos adicionais como o tradutor e o laboratório de gramática, além de cursos complementares de negócios, indústria e viagens, indicados para quem já concluiu os 16 níveis. Em 19 meses de plataforma, foram quase R$ 8 milhões investidos.
Para 2023, o Estado vai implementar uma nova plataforma, o Inglês Professor, que vai propiciar aos professores a prática da língua inglesa com nativos, com aulas ao vivo em grupo e individuais. É mais uma ação com o objetivo de trazer no médio e longo prazo a fluência para a rede estadual de ensino.

COOPERAÇÃO BRITÂNICA – Ao mesmo tempo que introduziu o Inglês Paraná, o Estado também foi um dos cinco a desenvolver, em cooperação técnica com o governo britânico, o programa UK-Brazil Skills for Prosperity (habilidades que nos levam além), iniciativa do Reino Unido com apoio das organizações Fundação Lemann, Associação Nova Escola, Instituto Reúna e British Council.
“Essa parceria teve como um de seus principais resultados o desenvolvimento por professores da nossa rede, em parceria com a Nova Escola, de um material didático para todos os estudantes do ensino fundamental anos finais, 6º ao 9º ano, da rede estadual”, explica Anderfabio.

Ao longo de 2022, foram entregues, por meio do projeto-piloto, 476 mil exemplares do material didático Xperience, livro com edições do 6º ao 9º ano, além de 9 mil cópias do livro para professores, atendendo 1.580 escolas em todo Paraná em todos os 32 Núcleos Regionais de Educação (NREs).
Além do novo material didático, o projeto ofertou um curso on-line para capacitação e uso efetivo do conteúdo, com certificação, que contou com a participação de mais de 400 professores de inglês da rede estadual, e aplicou mais de mil testes de proficiência com certificação internacional: 761 testes TOEIC Bridge para estudantes do 9º ano do fundamental e 350 TOEFL ITP para professores de língua inglesa dos anos finais do fundamental.

Publicidade

INTERCÂMBIO INTERNACIONAL – Dentro de parcerias e programas de apoio para o ensino de inglês, o estudo feito pelo British Council destacou como boas práticas três programas de intercâmbio de estados do Nordeste, em especial o de Pernambuco, mais antigo e de maior escala.
Na época o Paraná não promovia este tipo de ação, mas já estava formulando o Ganhando o Mundo, programa de intercâmbio internacional que em 2021 selecionou a primeira turma de 100 estudantes para passar um semestre letivo no Canadá. A pandemia adiou a viagem para o começo de 2022 e, naquele mesmo ano, no segundo semestre, outros 100 estudantes também foram à Nova Zelândia, na segunda edição do programa. Nas palavras da totalidade dos intercambistas, essa foi “a melhor experiência” das suas vidas.

A aprovação e boa avaliação das edições iniciais fez com que a Seed-PR ampliasse o programa. Em sua terceira edição, o Ganhado o Mundo cresceu e vai levar mil alunos – pelo menos um de cada município – para cinco países de língua inglesa no começo de 2024: Austrália, Canadá, Estados Unidos, Inglaterra e Nova Zelândia. As inscrições estão abertas e vão até 31 de maio.
Também está em andamento, no momento em fase de seleção, o Ganhando o Mundo Professor, que vai levar 96 professores de inglês da rede estadual para até quatro semanas de estudos em universidades do Canadá (72) e Finlândia (24), abrindo oportunidades também aos docentes.

Quem fez um intercâmbio nesses moldes foi a própria professora Susane, em 2019, quando foi para Delaware (EUA), selecionada pelo PDPI (Programa de Desenvolvimento Profissional de Professores de Língua Inglesa nos EUA), financiado pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), vinculada ao Ministério da Educação, em parceria com a Comissão Fulbright Brasil, ligada ao governo dos EUA. Neste ano, 42 professores da rede também participaram do programa.
“Foi uma experiência maravilhosa. Pude conviver com nativos da língua inglesa, professores de outros países, e eu trouxe muita coisa para os alunos, de como trabalhar o inglês”, conta.

Segundo Susane, várias questões são trabalhalhadas no Formadores em Ação, programa de formação continuada ofertado pela Secretaria da Educação aos professores da rede públical. “Agora que temos o Ganhando o Mundo Professor, eu digo que vale muito a pena, o intercâmbio ajuda muito, abre muito nossa visão de mundo. Aos pouquinhos a gente melhora e vamos acabar com essa teoria de que só se aprende inglês em escola particular ou fazendo cursinho. A gente aprende na escola pública, sim, com certeza”, arremata.
SÉRIE – “Paraná, o Brasil que dá certo” é uma série de reportagens da Agência Estadual de Notícias. São apresentadas iniciativas da administração pública estadual que são referência para o Brasil em suas áreas.

Confira o vídeo:

Fonte: AEN

Comente usando o Facebook

Publicidade

O Portal Roy NEWS acredita no Jornalismo comprometido com a verdade dos fatos e com a ética, trazendo sempre os principais fatos de Paranavaí e região, além dos destaques nacionais e da mídia.

Clique Para Comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Entrar

Deixe uma Resposta

Educação

Mais de 930 mil alunos da rede estadual fazem a Prova Paraná a partir de segunda-feira

Roy Junior

Publicado

em

Publicidade

Começa nesta segunda-feira (22) a 1ª edição da Prova Paraná e da Prova Paraná Digital, iniciativas da Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR) que avaliam, trimestralmente, o aprendizado dos alunos da rede estadual de ensino, e também das redes de ensino municipais que aderiram ao projeto. O objetivo é subsidiar professores e pedagogos no desenvolvimento e aprimoramento de novas estratégias pedagógicas, planejando novas metodologias a serem aplicadas em sala de aula, em prol do fortalecimento do ensino em todos os níveis.

A Prova PR ocorre até quinta-feira (25), no formato impresso, para estudantes de todos os níveis. Alunos do 8º e 9º anos do Fundamental farão a avaliação também de forma digital, nos componentes curriculares de Língua Portuguesa, Matemática e Ciências, em uma segunda etapa, até 3 de maio.

A Seed-PR estima que, nesta primeira edição, as provas sejam realizadas por mais de 930 mil estudantes de 397 municípios, distribuídas de acordo com os níveis escolares e cobrindo os ensinos Fundamental, a partir do 5° ano, e Médio.

APLICAÇÃO – Nesta edição, cada nível escolar terá componentes curriculares avaliados separadamente em dois cadernos distintos. Do 5° ao 9° ano, serão avaliados os componentes de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, Geografia, História e Língua Inglesa.

Para os alunos do 8° e 9° anos, a prova referente ao Caderno 1 será via digital e abrangerá os componentes de Língua Portuguesa, Matemática e Ciências. Os demais componentes (Língua Inglesa, Geografia e História) serão avaliados em prova impressa, como os demais.

Neste ano há uma novidade para os alunos da 3ª série do Ensino Médio. Além dos componentes de Matemática, Ciências, Geografia, História, Língua Inglesa, Física, Biologia, Química, Filosofia, Sociologia e Educação Financeira, também serão avaliados os desempenhos nos componentes curriculares presentes nos Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio (NEM): “Matemática e Ciências da Natureza”, “Linguagem e Ciências Humanas” e “Educação Profissional”, aplicados em cadernos impressos.

O Caderno 1 avaliará os componentes de Língua Portuguesa e Matemática e o Caderno 2 aqueles referentes aos itinerários formativos – ambos via prova impressa.

Assim como nas demais edições, as notas alcançadas nas avaliações de Matemática serão automaticamente classificatórias para as Olimpíadas de Matemática das Escolas Estaduais do Paraná (OMAP), tanto para os alunos de Ensino Fundamental quanto do Médio. Mais informações podem ser consultadas AQUI.

PROVAS ADAPTADAS – Outra novidade da Prova Paraná deste ano é que para os estudantes da Educação Especial, as avaliações estarão disponíveis em formato adaptado, de acordo com a necessidade do aluno. As provas serão disponibilizadas nas seguintes versões: ampliadas, superampliadas, TXT, Libras, Braille e coloridas.

Publicidade

APRIMORAMENTO – A Prova Paraná é um instrumento de avaliação elaborado com o objetivo de identificar as dificuldades apresentadas, bem como as habilidades já apropriadas pelos estudantes durante o processo de ensino e aprendizagem. Em 2019, quando foi instituída, houve três edições que avaliaram conhecimentos referentes às disciplinas de Língua Portuguesa e Matemática. Depois, os conteúdos foram ampliados gradativamente.

A Seed-PR oferece, sem ônus para as secretarias municipais que aderirem à proposta, os instrumentos de avaliação impressos para o Ensino Fundamental e, também, um aplicativo de celular para correção dessas provas, reduzindo o trabalho manual. A iniciativa gera relatórios para professores, gestores, escolas e secretarias municipais.

Esse app, utilizado também nas correções das provas aplicadas aos alunos da rede estadual, resultam em uma fonte de pesquisa e dados para aperfeiçoamento da prática pedagógica dentro dos mais diversos contextos educacionais.

Fonte: AEN

Comente usando o Facebook

Publicidade
Continue Lendo

Economia

4ª parcela do IPVA de veículos com final de placa 5 e 6 vence nesta sexta-feira

Roy Junior

Publicado

em

Publicidade

A Secretaria da Fazenda e a Receita Estadual do Paraná informam que esta sexta-feira (19) é o prazo final para pagar a quarta parcela do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2024 para veículos com placas terminadas em 5 e 6

Os contribuintes que optaram pelo parcelamento em cinco vezes devem pagar a quarta cota do imposto ao longo desta semana, e até a próxima terça-feira (23), sem a incidência de juros. É importante ficar atento às datas de vencimento, que variam de acordo com o final da placa.

Assim como já ocorria em anos anteriores, as guias de recolhimento (GR-PR) não são enviadas pelos correios. A Fazenda e a Receita também não encaminham boletos por e-mail nem aplicativos de mensagens.

Os contribuintes do Paraná devem gerar os boletos por meio dos canais oficiais, como o Portal IPVA, os aplicativos Serviços Rápidos, da Receita Estadual, e Detran Inteligente, disponíveis para Android e iOS, ou Portal de Pagamentos de Tributos.

OPÇÕES – Uma das alternativas de pagamento do IPVA é o pix, por meio do QR Code inserido na guia de recolhimento, a partir de mais de 800 instituições financeiras. O pagamento nessa modalidade é compensado em até 24 horas e pode ser feito nos canais eletrônicos dos bancos ou por meio de aplicativos, não limitados aos parceiros do Estado.

Além disso, é possível pagar o IPVA com cartão de crédito, que permite parcelar os débitos em até 12 vezes. Neste caso, a Fazenda e a Receita chamam a atenção para as taxas cobradas pelas instituições operadoras. A tabela dos juros aplicados pelas empresas está disponível AQUI.

ALÍQUOTA – A alíquota do IPVA no Paraná é fixada em 3,5% sobre o valor venal de carros e motos em geral. Para ônibus, caminhões, veículos de carga, de aluguel ou movidos a gás natural veicular (GNV) a alíquota é de 1%.

São tributados os veículos fabricados nos últimos 20 anos, ou seja, de 2004 em diante. Há isenção para algumas categorias específicas, como ônibus de transporte público, veículos de transporte escolar e veículo de propriedade de pessoas com deficiência, entre outros.

O IPVA representa uma das principais fontes tributárias do Estado e 50% de sua arrecadação é destinada aos municípios.

Publicidade

ATRASO – A multa é de 0,33% ao dia mais juros de mora (de acordo com a taxa Selic). Após 30 dias de atraso, o percentual é fixado em 10% do valor do imposto.

SITES FALSOS – A Secretaria da Fazenda alerta os contribuintes sobre a existência de sites falsos relacionados à cobrança do IPVA. A recomendação é que as guias de pagamento sejam sempre geradas por meio dos sites oficiais, cujos endereços terminam com a extensão “pr.gov.br”, ou através dos apps da Receita Estadual e do Detran.

Confira o calendário da quarta parcela do IPVA 2024 por final de placa:
1 e 2 – 17/04 (vencida)
3 e 4 – 18/04 (vencida)
5 e 6 – 19/04
7 e 8 – 22/04
9 e 0 – 23/04

Fonte: AEN

Comente usando o Facebook

Publicidade
Continue Lendo

Cidades

Duplicação de rodovia entre Maringá e Iguaraçu chega a 44% de execução

Roy Junior

Publicado

em

Publicidade

O Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), autarquia da Secretaria de Infraestrutura e Logística (SEIL), atingiu a marca de 44,03% de execução da duplicação da PR-317 entre Maringá e Iguaraçu, na região Noroeste. O investimento na obra é de R$ 183.456.873,42.

Publicidade

Os serviços mais avançados são a terraplenagem, com 62,39% de conclusão, em que é preparada a plataforma da nova pista, paralela à pista já existente, por meio de corte ou aterro do solo. Durante a terraplenagem também está sendo implantado o sistema de drenagem de águas, que inclui bueiros e caixas de passagem, e, mais perto do final da obra, sarjetas triangulares de concreto e bocas de lobo, entre outros dispositivos.

Em seguida, vêm as obras de arte especiais (OAE) do trecho, com 51,81%, que incluem a nova ponte sobre o Rio Pirapó, já concluída, três viadutos e duas passarelas. Atualmente os serviços nas OAEs estão concentrados no viaduto do entroncamento com a PR-454, com o viaduto de Iguaraçu já com infraestrutura e mesoestrutura prontas no local, e o viaduto no acesso ao Centro de Controle de Zoonoses com a fundação concluída.

A pavimentação em si atingiu 47,51%, que inclui as pistas novas do eixo central, em um total de 21,82 quilômetros entre os dois municípios, e também cinco quilômetros de vias marginais e dez retornos em nível.

A obra abrange ainda galerias celulares, passa-fauna, sinalização horizontal e vertical na pista nova e adequação da sinalização na pista existente, iluminação viária nas OAEs, melhorias ambientais e serviços complementares. A previsão é concluir os serviços até o final do ano.

RETOMADA – Esta duplicação passou por três períodos de paralisação devido a uma disputa judicial entre as empresas que disputaram sua licitação, situação que foi inteiramente superada somente no final de 2022. A obra foi retomada e desde o primeiro semestre de 2023 mantém um ritmo constante de serviços.

Fonte: AEN

Comente usando o Facebook

Publicidade
Continue Lendo
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Policial

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mais Lidas